Alternativas ao Google Ads

O Google é um pilar da Web moderna, com uma marca tão grande que seu nome é sinônimo de “pesquisar na Internet”. Google.com não só é o site mais popular da Web, mas também o mecanismo de busca mais utilizado; e, claro, o Google também abriga o maior mercado de anúncios digitais do mundo.

Mas os usuários estão acordando para as práticas obscuras de dados do Google e, em geral, abandonando essas plataformas da Web 2.0 por novas alternativas que preservam a privacidade. O controle do Google sobre o espaço de anúncios digitais não vai acabar da noite para o dia, mas uma grande mudança está em andamento. Uma mudança que leva marcas e anunciantes a buscar alternativas para o Google Ads - o sistema que gerencia os anúncios no Google - que sobreviverão à transição para uma Web que prioriza a privacidade.

Vamos ver como e por que essa mudança está acontecendo, como os anunciantes podem se preparar para um futuro sem rastreamento invasivo e quais plataformas oferecem soluções que as marcas podem usar desde já.

O Google Ads é a maior e mais poderosa plataforma de publicidade do mundo, oferecendo blocos de anúncios em suas várias plataformas e aplicativos da Web — todos projetados para fornecer aos usuários as informações que eles estão procurando. Uma grande parte do Google Ads segmenta pesquisas por palavras-chave e se concentra na intenção do usuário. As marcas podem usar o Google Ads para segmentar estrategicamente determinadas frases-chave como “como funcionam as fritadeiras air fryer?” ou “qual é a melhor fritadeira air fryer?” — com cada frase ligada a um ponto diferente na jornada do cliente.

Com cerca de sete bilhões de pesquisas por dia, os anúncios de pesquisa do Google compõem a grande maioria das vendas do Google Ads — permitindo que as marcas segmentem milhões de palavras-chave e públicos-alvo. Mas os anúncios de pesquisa baseados em texto estão longe de ser os únicos blocos de anúncios que o Google oferece. Outros tipos de Google Ads incluem:

  • Anúncios de display (imagens em sites, pesquisa e YouTube)
  • Anúncios em vídeo (conteúdo de vídeo em sites e vários tipos de anúncios em vídeo no YouTube)
  • Anúncios do Shopping (listagens de produtos patrocinados)
  • Anúncios locais (para lojas e locais aparecerem em lugares como Pesquisa e Mapas)

O Google captura quase 30% de toda a receita com publicidade digital no mundo — teve uma receita de cerca de US$ 209 bilhões somente em 2021, por exemplo — e define o padrão para rastreamento de usuários, métricas de publicidade e segmentação por palavras-chave. Mas à medida que mais usuários exigem privacidade on-line e os governos criam novas leis a respeito, até mesmo plataformas tão grandes quanto o Google estão sendo forçadas a ajustar seus modelos de anúncios.

A mudança para uma Web privada

Cansados de invasões, violações de privacidade e má gestão geral de dados, um enorme grupo de usuários da Internet está tomando medidas para se proteger. Eles estão usando bloqueadores de anúncios, VPNs, navegadores de privacidade como o Brave e outras ferramentas para cobrir seus rastros on-line.

Alguns usuários estão indo um passo além e aderindo ao movimento Web3. A Web3 coloca os usuários no controle de seus próprios dados. uma mudança bem-vinda do modelo da Web 2.0, onde os usuários são forçados (ou enganados) a confiar nas grandes empresas de tecnologia. Com as tecnologias blockchain, criptomoedas e aplicativos descentralizados (DApps), os usuários agora podem ignorar completamente as Big Tech. Usuários experientes em tecnologia lideraram essa iniciativa, mas a Web3 está se tornando mais amplamente adotada.

Os governos também estão apoiando os usuários em suas demandas por direitos de privacidade digital. Com a legislação recente, como o GDPR da Europa e a CCPA da Califórnia, os governos estão controlando as práticas de coleta de dados das empresas da Web 2.0. Agora, os sites em muitos países precisam pedir permissão por meio de [formulários de consentimento de cookies] (/privacy-updates/21-blocking-cookie-notices/) antes de coletar quaisquer dados “não essenciais”, e os usuários podem optar por sair com o clique de um botão. Esses avanços legislativos colocam os controles de privacidade de dados nas mãos dos usuários, e muitos usuários (sem surpresa) optam por bloquear a coleta de dados da Big Tech.

Mas os usuários não estão apenas optando por não participar da coleta de dados, eles estão escolhendo ativamente produtos e serviços mais privados por padrão. Estão mudando do Chrome para o Brave, do Gmail para ProtonMail. Estão usando os recursos de privacidade integrados em dispositivos iOS. E mais.

Tudo isso se soma a uma grande mudança para uma Web mais privada. E com seus resultados afetados, as empresas de tecnologia estão tomando conhecimento.

Anúncios online sem rastreamento

Algumas empresas estão usando a privacidade como um diferencial de venda.

A Apple, por exemplo, está dando aos usuários do iOS a opção de aceitar ou rejeitar o rastreamento entre sites por meio de seu novo recurso App Tracking Transparency (ATT) — algo que acaba por ser aceito por 95% deles.

Até mesmo o Google — um dos maiores responsáveis por roubo de dados — está tomando algumas medidas (limitadas) para eliminar o rastreamento de dados no Chrome. O plano para remover cookies de terceiros no Chrome tem sido longo e complicado. A abordagem do Google continua a mudar depois de perder o prazo original de remoção de cookies de janeiro de 2022 (uma meta originalmente estabelecida em janeiro de 2020). Primeiro, o Google tentou implementar o Federated Learning of Cohorts (FLoC) no lugar de cookies de terceiros e agora está tentando uma nova abordagem chamada Tópicos. Resta saber qual será a alternativa do Google para os cookies.

Seja como for, a ação do Google contra cookies de terceiros deve ter um grande impacto no cenário de anúncios digitais. O rastreamento de terceiros se tornará muito mais difícil e pode se tornar uma coisa do passado. De qualquer forma, os usuários preocupados com a privacidade continuarão mudando para alternativas privadas como o Brave. No geral, isso reduzirá a participação de mercado do Google, seu inventário de anúncios e, portanto, o ROI para os anunciantes.

Melhores alternativas ao Google Ads

Com essa mudança centrada na privacidade no cenário de anúncios digitais, muitas marcas e anunciantes estão procurando alternativas ao Google Ads. Embora os anunciantes não encontrem uma plataforma de anúncios com maior alcance do que o Google (que, afinal, é o site mais visitado da Web), eles podem encontrar plataformas mais eficientes, que custam menos e trazem melhor ROI.

Em geral, há dois tipos de alternativas aos Anúncios do Google:

  • Plataformas de anúncios da Web 2.0 (como Facebook e Microsoft) que ainda dependem de rastreamento, mas podem alcançar usuários que podem não usar o Google
  • Plataformas de anúncios que preservam a privacidade (como o Brave Ads) que inauguram a Web3 e são mais propensas a serem viáveis no futuro

Facebook

O Facebook, a segunda maior plataforma de anúncios digitais do mundo, é o concorrente mais próximo do Google, mas eles adotam abordagens muito diferentes para a segmentação de anúncios. O Facebook Ads depende principalmente de suas vastas informações sociais relevantes e psicográficas para segmentar usuários, em vez de consultas diretas de usuários. Como tal, os blocos de anúncios do Facebook se concentram fortemente na publicidade visual com fotos e vídeos mais propensos a capturar a atenção e provocar emoções.

O Facebook pode saber, por exemplo, que um usuário tem cinquenta amigos que andam de caiaque e mostrar a essa pessoa anúncios de caiaques. Mas as informações relevantes do Facebook não são apenas inferências. Ele também sabe quais páginas os usuários gostam, com qual conteúdo eles compartilham ou interagem e o que eles enviam em bate-papos privados. A combinação dessas informações permite que os anunciantes segmentem usuários com maior probabilidade de interagir com um anúncio ou comprar um produto.

Como o Google, no entanto, grande parte das informações relevantes do Facebook vem da coleta de dados. Isso torna o Facebook suscetível às mesmas forças de mercado que o Google, e os anunciantes (com o tempo) verão os mesmos problemas em ambas as plataformas. À medida que mudarmos para uma Web mais privada, essas plataformas provavelmente perderão o pé no espaço de anúncios digitais.

Publicidade da Microsoft

A publicidade da Microsoft (ou Microsoft Ads/Microsoft Advertising) oferece uma ampla variedade de blocos de anúncios, como anúncios de display, anúncios de produtos, anúncios em vídeo e anúncios baseados em texto. Como o Google, a Microsoft também oferece marketing de mecanismo de pesquisa (o Bing Ads) e outros tipos de anúncios em seus sites parceiros (como Yahoo! e MSN) e aplicativos (como Cortana e Office). Enquanto o Google domina o mercado de mecanismos de pesquisa com mais de 90% de participação de mercado, o Bing vem em segundo lugar. As cerca de 900 milhões de pesquisas por dia do Bing podem parecer pequenos em comparação com os sete bilhões do Google, mas ainda é um volume significativo para os anunciantes. O Bing também abriga um público que o Google pode não alcançar (estimado pela Microsoft em cerca de 44 milhões de usuários apenas nos EUA).

Semelhante à segmentação por palavras-chave nos Google Ads, o Microsoft Ads aproveita a intenção de pesquisa para segmentar usuários — tornando-se uma boa alternativa de anúncio baseada em intenção. O custo médio por clique no Bing Ads é cerca de 70% mais barato do que no Google (embora varie entre os setores). O Microsoft Ads funciona muito como o Google Ads, mas com um grupo demográfico ligeiramente diferente e um alcance muito menor — e um preço mais baixo para combinar.

Mas, apesar do custo mais baixo do Microsoft Ads, a taxa média de conversão é muito menor do que a do Google — o que significa que as campanhas publicitárias podem ser mais baratas, mas você precisará executar mais delas. E, em última análise, o Microsoft Ads é alimentado pelo mesmo tipo de coleta de dados que os Google Ads, tornando-o suscetível a essa mesma tendência longe da coleta de dados.

Anúncios Brave: blocos de anúncios compatíveis com Web3

Em contraste com o modelo de anúncio da Web 2.0, que envolve a extração de todos os dados do usuário para vender espaço publicitário, a publicidade da Web3 tem como principal objetivo a confiança e consentimento. O objetivo é permitir que os usuários tomem suas próprias decisões sobre quais tipos de rastreamento, cookies e outras coisas eles permitirão e como seus dados poderão ser usados.

O Brave Ads/Anúncios Brave é um modelo de anúncio totalmente novo adaptado para o mundo da Web3 que prioriza a privacidade. No navegador Brave, focado na privacidade, os usuários podem optar por ver diferentes tipos de anúncios e ganhar recompensas por sua atenção. Os blocos de anúncios do Brave variam de imagens patrocinadas de página inteira em novas guias no navegador, cartões de imagem e texto no feed de notícias do Brave e em notificações push. E como os usuários do Brave precisam optar por ganhar recompensas, eles são significativamente mais engajados e mais propensos a clicar em anúncios. Os anunciantes geralmente veem um ROI muito maior com os Anúncios Brave:

  • Taxa de cliques de 8% em anúncios de notificação push
  • Aumento médio de 17% na intenção de compra
  • Aumento médio de 28% na percepção da marca
  • Aumento médio de 64% no reconhecimento da marca/promoção

Mais importante ainda, os Anúncios Brave não exigem coleta de dados para alcançar essas métricas melhores. O servidor dos Anúncios Brave cria um catálogo de anúncios e parâmetros de segmentação, que é baixado para o navegador Brave no dispositivo de um usuário. Os anúncios são então associados de maneira local e privada com os usuários no navegador. Esse método de segmentação não envia nenhum dado pessoal de volta aos servidores da Brave ou a terceiros. Tudo o que o Brave recebe são dados anônimos e agregados sobre confirmações de anúncios.

Hoje, o público dos Anúncios Brave é único: são menos ativos em plataformas da Web 2.0, como as redes sociais tradicionais, e usam bloqueadores de anúncios, VPNs e navegadores de privacidade. São os públicos “inacessíveis” que as plataformas de anúncios da Web 2.0 estão perdendo aos milhões. Mas eles são apenas a vanguarda — já estão mudando para alternativas privadas como o Brave também. Os Anúncios Brave dão às marcas a chance de alcançar esses públicos de uma maneira que preserve a privacidade — e criar novas linhas de negócios em uma Web mais privada.

Diversificando as estratégias de anúncios para o futuro da privacidade em primeiro lugar

A Web está mudando. De um mundo Web 2.0 onde os dados do usuário são coletados para gerar lucro para as Big Tech para um mundo Web3 onde os usuários realmente são donos dos seus dados e podem decidir o que acontecerá com esses dados. A mudança para uma Web que prioriza a privacidade está bem encaminhada, mas isso não significa que as marcas devam abandonar as plataformas da Web 2.0 imediatamente. Anunciantes experientes começarão a reduzir seus gastos com anúncios no modelo Web 2.0 e mudarão o foco para modelos que respeitem a privacidade. Os usuários notarão e respeitarão as marcas que o fizerem. Diversificar é fazer negócios com inteligência.

Para começar a criar campanhas publicitárias que atinjam os “inacessíveis”, consulte https://brave.com/brave-ads/.

Ready to launch your first campaign?

Get started

Vamos desbravar a nova internet?

O Brave é desenvolvido por uma equipe de pioneiros da web que têm o foco na privacidade e priorizam o desempenho. Venha nos ajudar a melhorar a navegação na internet.

close

Quase lá…

Você está a 60 segundos da melhor privacidade on-line

Se seu download não for iniciado automaticamente. .

  1. Baixar o Brave

  2. Executar o instalador

  3. Importar configurações

Precisa de ajuda?

Tenha mais privacidade. Em qualquer lugar!

Baixe o Brave para dispositivos móveis para ter privacidade em qualquer lugar.

Download QR code